A Parcela cabe mesmo no bolso?

A Parcela cabe mesmo no bolso?

26/09/2015

O processo de controle do valor da moeda fez com que o Brasil entrasse no século XX de cabeça :)
 .....pena que isso aconteceu já nos anos 90 :(
Mas o que isso tem isso tem a ver com a parcela do Iphone?!
Simples!! O brasileiro, acostumado a pagar juros altos, que corria na frente do etiquetador do supermercado, que achava que deixar dinheiro na poupança era um grande negócio, acabou por descobrir as maravilhas das parcelas que cabem no bolso!!!
Mas será que elas são mesmo tão maravilhosas assim?
Vamos fazer uma conta simples, começando pela renda média do trabalhador brasileiro.
Segundo o IBGE, o brasileiro tem uma renda média de R$ 2.104,16, isso já considerando 13º salário, Participação nos lucros, enfim, o rendimento anual dividido por 12.
Agora vamos voltar às nossas suaves prestações.
O brasileiro gosta de aparelhos celulares. Principalmente os da moda. Bom, o preço do iphone 6 em uma grande rede é de R$ 3.499,00, podendo ser parcelado em 10 prestações de 349,90 :)
Ok, para quem tem uma renda média de mais de R$ 2.000,00, uma prestação de R$ 349,90 é aceitável....
....Mas o brasileiro gosta de carro...
Para não jogar sujo, vamos considerar um modelo popular, relativamente barato frente à maioria dos veículos. Vamos considerar também que não daremos entrada, ou seja, a compra será 100% parcelada.
Navegando em um famoso site de venda de veículos me deparei com uma oferta imperdível!
Um carro 0KM que custa a vista R$ 30.890,00 :( ...
....mas que pode ser vendido em 60X de R$ 799,00 sem entrada :)
Vamos guardar bem esses 60x799 para fazer umas contas depois ;)
Ah, e antes de continuar nossas contas, não podemos deixar de anotar os gastos mensais com o veículo.
Essas contas podem variar muito, mas vou tirar uma média baseado no que eu gasto.
Eu dirijo todos os dias, cerca de 40km por dia de segunda a sexta e também pego o carro aos finais de semana. Isso tem me dado um gasto médio com combustível de R$ 400,00 mensais.
Tem também o seguro do carro. Lembro da primeira vez que fui fazer seguro, o corretor olhou pra mim e apareceram dois $$ nos olhos dele. O valor do seguro para um homem na faixa dos 20 anos não sai por menos de R$ 2.000,00 (e estou chutando baixo, muito baixo) ao ano, normalmente parcelam em até 6x, ou seja, por metade do ano, eu vou ter mais uma despesa fixa de R$ 333,33. As coisas estão começando a ficar caras mas como dizem, o seguro é o melhor dinheiro jogado fora...
...percebemos isso justamente quando queremos ser malandros e não fazemos seguro....
Estamos jogando tudo em uma planilha ou anotando tudo no papel, certo?
Vamos lembrar nossas despesas mensais:
Aparelho Celular           R$   349,90
Veículo                          R$   799,00
Combustível                  R$   400,00
Seguro do veículo         R$   333,33
Total parcial                  R$ 1.882,33
Até o momento essas suaves prestações consumiram nada menos que 89,45% da nossa renda mensal, e eu nem sequer estou considerando os créditos que vamos colocar no celular...
Também não considero as roupas, a alimentação, a balada do final de semana.... e o mais importante. O investimento em educação.
Lembra que eu disse para guardar o valor das prestações do carro?
A vista ele custa R$ 30.890.....
....a prazo ele custa 60x799, ou em outras palavras, R$ 47.940. Exatos 55,2% de juros em suaves parcelas que nos tiram o sono e adiam alguns sonhos.....
A parcela de fato cabe no bolso mas muitas vezes ouço pessoas dizendo que investir em educação financeira é caro, porém como diz um escritor famoso, se você julga a Educação cara, imagine o preço da ignorância.
E a ignorância está justamente nas parcelas que cabem no bolso.
 
A realidade costuma ser mais tensa que os valores deste pequeno texto. Quando falamos que em média o brasileiro ganha R$ 2.000,00, colocamos na conta aquele que ganha R$ 100.000,00 e aquele que ganha um salário mínimo. Colocamos pessoas com décadas de experiência em determinada área e jovens adultos entrando no mercado de trabalho, ou seja, o cara que comprou este aparelho celular, este veículo e todos os gastos inclusos no pacote não ganha R$ 2.000,00. Se ele der sorte de ser aluno de universidade pública, ele pelo menos está em treinamento, se preparando para o mercado de trabalho e provavelmente ultrapassar essa barreira da média salarial do IBGE.
Mas quantos outros fazem apenas a conta da parcela que cabe no bolso? Deixam de estudar porque a felicidade imediata é muito mais importante. Essa é uma realidade muito triste, porém muito palpável e cheia de exemplos em qualquer grupo de amigos ou núcleo familiar.
É fato que dinheiro não traz felicidade mas a ciência prova que a falta dele traz tristeza.
E não falo da falta do dinheiro em si mas sim das contas que se acumulam, das empresas de cobrança que fazem bom uso do nosso aparelho celular novo, do banco que ameaça de tomar o veículo caso as parcelas em atraso não forem pagas....
....e tudo poderia ser resolvido com uma conta de mais e menos.
A Educação Financeira é simples e necessária. Deve começar em casa e deveria ser ensinada na escola pois, por mais que não gostemos de Matemática, ao fim do dia estaremos, invariavelmente, calculando aquela parcela que cabe no bolso.
Nos próximos posts vamos falar mais sobre os juros, poder de compra e por que eu deveria me preocupar com a inflação.
Até breve!

Marcos Milan